NOTÍCIAS

Globaltek contra o Aedes aegypti

O DSS (Diálogo Semanal de Segurança) da Globaltek desta quarta-feira (24), foi sobre o combate ao Aedes aegypti. A iniciativa busca conscientizar e mobilizar os colaboradores para o combate ao mosquito transmissor da dengue, da febre chikungunya e do vírus Zika.

Sobre Aedes aegypti:

O Aedes aegypti é um mosquito de origem africana que teve sua primeira descrição realizada no Egito (daí a origem de seu nome). Ele provavelmente chegou aos outros continentes graças às embarcações saídas da África transportando negros, os chamados navios negreiros. Com ampla distribuição pelo globo, o mosquito da dengue é adaptado ao ambiente urbano, onde encontra vários reservatórios ideais para sua fase larval. No Brasil, o Aedes aegypti foi identificado pela primeira vez em 1898 e atualmente é encontrado em todos os estados.

Sua característica principal é a presença de listras e manchas brancas em seu corpo de coloração preta. No que diz respeito aos seus hábitos, o mosquito destaca-se principalmente por possuir hábitos diurnos e ser encontrado em cantos escuros das casas, como embaixo de camas e escondido atrás de armários.

Conhecido popularmente como mosquito da dengue em virtude da capacidade de transmitir os quatro sorotipos da doença, o Aedes aegypti também é responsável pela transmissão da febre amarela, da febre chikungunya e da zika. O mosquito transmite doenças ao homem quando a fêmea contaminada pica um indivíduo, fato que ocorre normalmente ao amanhecer e ao entardecer.

Apenas as fêmeas do Aedes aegypti são capazes de transmitir doenças, uma vez que somente ela se alimenta de sangue, sendo esse tipo de alimentação fundamental para que ocorra o amadurecimento do folículo ovariano. É importante frisar que o macho não pica, alimentando-se apenas de néctar.

O mosquito da dengue apresenta ciclo dependente da água, que, segundo pesquisas, pode ser limpa ou até mesmo com altos graus de poluição. Inicialmente os ovos são colocados pela fêmea em locais próximos à água, como na parede de alguns recipientes. Ali esses ovos podem ficar por até dois anos e ainda permanecerem viáveis. Eles eclodem quando os níveis de água aumentam e eles estão contato com ela, iniciando assim sua fase larval. Depois de larva, o Aedes Aegypti torna-se pupa e, por fim, adulto.

O ciclo de vida desse inseto está intimamente relacionado com a temperatura e os regimes de chuva de uma determinada região. Em locais em que as estações secas e chuvosas são bem definidas, é comum que a dengue tenha seus picos de transmissão, que acontecem normalmente no verão.

Até o momento não existem vacinas que forneçam proteção contra a dengue. Sendo assim, a única forma de prevenção é a luta contra o mosquito. Para isso, a eliminação dos criadouros e a utilização de larvicidas e inseticidas fazem-se necessárias.

Fonte: Portal Mundo Educação 
Voltar